Desabafo ou Carta Aberta às Amigas

Não sei ser amiga à distância

não tô dizendo que sou uma péssima amiga, nem dizendo que amizade só se dá com a presença física. tô dizendo que a saudade vem apertando a cada dia e depois de 124 já me sinto enforcada.

eu não sei se tô morrendo ou se já morri de saudade. não é qualquer saudade. é saudade das minhas amigas e de amigos também. eu não sei como fazer pra passar pelo menos um pouquinho.

eu não sei gargalhar por videochamada e é disso que eu sinto falta.

filosofar sobre o mundo, mergulhar em nossos sentimentos, problematizar tudo à nossa volta é bem melhor e mais profundo pessoalmente, mas conseguimos à distância, conseguimos nos ouvir. não é isso que deixa meu pescoço com uma corda que aperta de dentro pra fora.

sinto falta de rir
rir com conversas das quais eu não lembro mais

eu sinto saudade das amenidades que fazem parte de dividir a vida com amigas, o cotidiano mesmo. eu sinto saudades de ouvir vocês rindo, me manda um áudio com uma risada? forçada mesmo. talvez a gente ria disso depois ou, pelo menos, vou criar um ótimo acervo.

eu sinto saudade das bobagens, das partes tão pequenas que nem são citadas quando se fala em ser amiga. eu chorei vendo she-ra hoje e she-ra é realmente ótimo, mas chorei de novo agora pensando em qual princesa cada uma de vocês seria.

eu tô sentindo saudade de muita coisa e tô sentindo saudade de muitas pessoas, mas tô com uma saudade que dói de tão insuportável de sabe-se lá de qual momento com vocês.

eu não consigo parar de chorar pra escrever. achei que escrever seria a solução.
a verdade é que escolhi vocês pra dividir a vida e o sentido de tudo diminui sem vocês sendo vocês mesmas, sem propósito nenhum, sem grandes assuntos, só vocês.

eu tô com saudades e essa é uma tentativa de carta pra dizer isso e me sentir mais próxima. pelo menos daniela e muriel vieram sentar um de cada lado agora.

Jornalista e Professora e tudo isso é só uma pequena parte.

Jornalista e Professora e tudo isso é só uma pequena parte.